Google+ Seguidores

quarta-feira, dezembro 19

Messenger será desativado


Já não é mais surpresa que o MSN será desativado. A Microsoft anunciou que ele sairá de cena até o final de março de 2013.
Após a compra do Skype, serviço de voz e vídeo on-line, em 2011, por 8,5 bilhões de dólares, a empresa anunciou no mês passado que fará a migração de mais de 100 milhões de usuários do MSN.

Na última sexta-feira, diversos usuários reclamaram de problemas para recuperar a lista de contatos. A assessoria de comunicação do Skype afirmou que a maioria dos usuários não encontrou problemas.
A Microsoft alerta aos usuários que não conseguirem acessar a sua lista de contatos do MSN, que entrem em contato com a empresa pelo serviço de suporte ao cliente.
Um dica da companhia é que se alguém tiver problemas com a transição deve sair completamente do Skype e entrar novamente usando sua conta pela Microsoft.
Se for para melhor, que seja bem vinda essa ação.

Fonte veja.com/tecnologia.

terça-feira, dezembro 18

Chega de dores!


Se você trabalha o tempo todo sentado e sente dores nas pernas, eis aqui uma boa notícia: estão próximas do fim as dores causadas por problemas circulatórios nas pernas.


O fabricante Kenko Patto trouxe ao Brasil a tecnologia de photon platina que emite infravermelho longo com 04 vezes mais potência que outros tecidos em nosso mercado.

Um estudo europeu recente realizado pela Universidad de Murcia, na Espanha, comprovou os efeitos da photon platina em vários pacientes com dores, chegando a reduzir 75% das dores em pacientes crônicos.


A impregnação no tecido é realizada com photon platina num tipo de látex que promete 70 anos de emissão do infravermelho longo. O efeito produzido é um poderoso anti-inflamatório, analgésico e ativador da circulação do sangue.

Trata-se de modelos de calça jeans projetados para durar por 05 anos de uso intenso sem perder a capacidade de emissão do infravermelho longo. Leia mais sobre essa tecnologia AQUI


Sintomas da má circulação

Os sintomas mais conhecidos são as famosas varizes e os “vasinhos” visíveis nas pernas. Mas este já é um estagio relativamente avançado do problema.


Muitos sentem dores inexplicáveis ou uma sensação de peso ou cansaço nas pernas e pés, além de inchaço, o que pode indicar problemas circulatórios.

Fonte da notícia: administradores.com

sexta-feira, dezembro 14

Virou moda

Depois que a Lacoste lançou uma promoção para que seus fãs sugerissem a camisa pólo do futuro, agora é a vez da Heineken utilizar a mesma estratégia.
Para comemorar seus 140 anos, a empresa lançou um desafio para designers, criativos e fãs da marca do mundo inteiro, o Future Bottle Design Challenge 2013.

Os participantes deverão criar uma garrafa com design futurista, mas inspirado no passado da marca. O trabalho vencedor do desafio será transformado em uma edição limitada da garrafa, a ser lançada em dezembro de 2013.

Os projetos podem ser enviados até 1º de março de 2013.

Veja o VÍDEO da campanha.

Lacoste faz homenagem a Peanuts


Em comemoração aos 60 anos de Snoopy, Charlie Brown, Linus, Woodstock e cia., a Lacoste lançou uma edição limitada de sua tradicional camisa polo.
Em cada delas foi colocado um personagem de “Peanuts” brincando com o crocodilo, mascote da marca.

A coleção foi lançada em outubro e nem chegou até nós. Que pena!
É a primeira vez que a Lacoste convida outra empresa para estar presente em suas roupas.

quinta-feira, dezembro 13

Lacoste 80 anos


Lacoste é uma  das marcas que mais admiro, não apenas pelo produto de qualidade, mas também pela sua história e a maneira como se comunica com o público-alvo.
Ao completar 80 anos, a Lacoste está propondo um desafio aos fãs da marca: imaginar a camisa pólo do futuro.
Ela já deu algumas dicas no site da campanha Lacoste Future, apontando tendências de roupas que mudam de cor, podem ser alongadas etc.
Quem é fã da marca, como eu, pode se arriscar e propor algumas ideias sobre como serão as camisas pólo do futuro.   As melhores serão destacadas tanto no site quanto no Facebook da marca.



A história da Lacoste

A marca foi fundada pelo francês René Lacoste, famoso jogador de tênis, que, em 1927, junto de sua equipe, ganhou a Taça Davis e quebrou a supremacia da equipe americana. Durante esse torneio, René fez uma aposta com o capitão da equipe americana em que ele compraria uma mala feita de pele de crocodilo, caso a equipe francesa fosse campeã daquela edição.
Após a conquista, ele foi apelidado pela imprensa americana de O Crocodilo. Por conta do apelido, seu amigo Robert George desenhou um minúsculo crocodilo que foi bordado em seu casaco, que ele passou a usar em todos os torneios de que participou.
A marca oficial nasceu em 1993, quando René Lacoste e o amigo André Gillier, proprietário de uma malharia francesa, se juntaram e criaram a empresa. O produto principal é a camiseta pólo, porém, a Lacoste expandiu sua linha com artigos do vestuário desportivo, calçados, fragrâncias, relógios etc.
É, de fato, uma bela história de uma marca reconhecida mundialmente.

terça-feira, dezembro 11

Os 10 livros de Marketing mais vendidos em 2012


Philip Kotler lidera a lista e tem quatro livros no ranking. Marketing 3.0, Administração de Marketing, Princípios de Marketing e Marketing de A a Z são os destaques

Quatro livros brasileiros estão entre os mais lidos de 2012, de acordo com o levantamento realizado junto às livrarias Saraiva, Siciliano, Cultura e Fnac e dos sites Submarino e Americanas.com. A Bíblia do Marketing Digital, de Cláudio Torres, aparece em terceiro no ranking. Os 8 Ps do Marketing Digital - O Seu Guia Estratégico de Marketing Digital, de Conrado Adolpho, figura na quarta posição. Já Marketing Na Era Digital - Conceitos, Plataformas e Estratégias, Martha Gabriel, é o quinto título mais vendido, enquanto Marketing de atitude, de Julio Ribeiro, está em décimo lugar.
No Top 10 de livros mais vendidos de 2012, apenas a obra do publicitário Julio Ribeiro foi lançada este ano. Todos os outros já são conhecidos, a exceção do oitavo colocado Nos bastidores do Google - Tudo o que sei sobre Marketing aprendi com o Google, lançado em 2011. Fechando a lista está outro best seller: A Lógica do Consumo, em sexto lugar, do especialista em neuromarketing Martin Lindstrom.

Veja a classificação completa dos 10 mais vendidos:

     TÍTULOAUTOR/EDITORA
1Marketing 3.0 - As Forças que Estão Definindo o Novo Marketing Centrado no Ser HumanoPhilip KotlerCampus Elsevier
2Administração de MarketingPhilip KotlerPearson Education
3A Bíblia do Marketing DigitalCláudio TorresNovatec
4Os 8 Ps do Marketing Digital - O Seu Guia Estratégico de Marketing DigitalConrado Adolpho VazNovatec
5Marketing Na Era Digital - Conceitos, Plataformas e EstratégiasMartha GabrielNovatec
6A Lógica do ConsumoMartin LindstromNova Fronteira
7Princípios de MarketingPhilip KotlerPearson
8Nos bastidores do Google - Tudo o que sei sobre Marketing aprendi com o Google Aaron GoldmanSaraiva
9Marketing de A a Z - 80 Conceitos que Todo Profissional Precisa SaberPhilip KotlerCampus Elsevier
10Marketing de AtitudeJulio RibeiroDash Editora
Fonte: Mundo do Marketing, com Saraiva, Siciliano, Fnac, Cultura, Submarino e Americanas.com.

quarta-feira, dezembro 5

Chega de plágio !

Um projeto do Senador Blairo Maggi, quer tornar obrigatória a divulgação de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), segundo o qual os recém-formados terão prazo de um ano após conclusão do curso de graduação para corrigir seus trabalhos para publicação.

Atualmente, apenas dissertações de mestrado e teses de doutorado atendem a essa obrigatoriedade.

Sendo aprovada, possivelmente, a mesma lei deve se estender para os cursos técnicos que exigem o TCC como avaliação final dos concluintes.

Os casos de plágio não são raros. Sendo no TCC ou em qualquer outro trabalho acadêmico, copiar ou imitar obra alheia como se fosse sua, ou reproduzir pequenas partes ou um texto sem citar sua fonte, é considerado plágio.

Mesmo se houver citação, se estiver incompleta, caracteriza-se a irregularidade, de acordo com a Lei de Direitos Autorais nº 9.610, que sujeita o infrator à punição e até expulsão da instituição em que está se formando.

Uma das causas que favorecem o plágio é a falta de cultura do brasileiro pela leitura. Esse fator se reflete na dificuldade de entendimento de um determinado texto pelos jovens estudantes, cada vez mais concentrados em seus celulares, com mensagens curtas e repletas de vícios de linguagem que nada agregam à nossa língua.




São poucas as escolas que cobram dos alunos a leitura de obras literárias de vocabulário rico. Muitos professores pedem aos alunos que façam redações sobre as férias ou passeios com a família, ao invés de sugerirem que escrevam sobre temas da atualidade.

O MEC reconhece o problema e está tentando mudar essa realidade. Mas, as campanhas ainda são muito tímidas e focadas em mídia de massa, quando deveriam centrar forças nos bancos escolares do ensino básico ao fundamental.

Melhora a acessabilidade ao ensino superior

Todas as escolas brasileiras, públicas e particulares, são obrigadas, por lei, a fazer modificações em sua arquitetura para atender alunos com necessidades especiais.

Sinalização de entrada e circulação, portas, banheiros, carteiras, bebedouros, salas de aula, biblioteca, secretaria, entre outros setores, são passíveis de adaptação para melhor atender a esse público.


Uma informação importante é que as instituições de ensino superior do país estão se movimentando em busca de possibilitar acesso para portadores de necessidades especiais.

De acordo com o MEC, em texto publicado na revista Ensino Superior nº 170, de Novembro/Dezembro/2012, o número de matrículas de pessoas com deficiência aumentou 933,6%, ou seja, de 2.173 para 20.287, no período de 2000 a 2010. Desses, 6.884 em escolas públicas e 13.403 em escolas particulares.

Outro dado importante é o crescimento do número de instituições superiores que atendem a alunos com alguma deficiência. De 1.180 para 2.378, no mesmo período.

Há sempre um "porém": de todas as IES contabilizadas, 430 ainda não contam com estrutura adequada para atender a esses estudantes.


terça-feira, dezembro 4

Embalagem de esmalte em formato de bunda ?!


A marca de esmaltes Bootie Babe, de São Francisco, Califórnia (EUA), lançou uma linha de esmaltes em vidrinhos com o formato de bumbum.
Os esmaltes da “Big Bootie Collection” (Coleção Popozão, em tradução livre) são acondicionados em frascos em forma de bumbum.
A coleção conta com 24 cores. Os esmaltes custam 12 dólares cada e passaram a ser vendidos sábado passado, 01/12, nos Estados Unidos.


Não entendi a razão da escolha do formato em bumbum. Unha? Esmalte? Bunda? Qual o relacionamento? Hummm ??????
Será que tem a ver com uma coçadinha nas nádegas com as unhas bem pintadas?
Se alguém souber, me fale.

A criatividade não tem limite

Quando se trata de elevar o consumo, um dos principais fatores a induzir o consumidor à compra é o ineditismo e a curiosidade.
A Nestlé lançou em Hong Kong um sorvete sabor banana, envolto por uma camada de gelatina que pode ser descascada como a fruta de verdade.
O sorvete é de baunilha e foi lançado com o nome Pegapop Deskasca.
A embalagem traz o macaco Luka e ressalta a forma de como consumir o produto.
No Brasil, a novidade chega em dezembro aos pontos de venda na região Sudeste e no restante do país a partir de abril de 2013.


Viva a criatividade!

segunda-feira, dezembro 3

Brasil: um novo milionário a cada 27 minutos

Cláudio Diniz, especialista em mercado de luxo, disse que, em 2013, uma pessoa ficará milionária a cada 27 minutos no Brasil.
Levantamento do Credit Suisse mostra que, atualmente, a cada 50 minutos um brasileiro se torna milionário e, no ano que vem, serão 271 novos milionários por dia no país.
Quer saber mais? As  chances de ficar rico são maiores aqui no Brasil do que na Índia, China e Rússia.
Estima-se que já existam 317 mil ricaços no Brasil e que este número deverá chegar a 815 mil em 2017.
Claudio Diniz é autor do livro “O Mercado de Luxo no Brasil: Tendências e Oportunidades”.


Será que eu consigo entrar para esse seleto grupo? Fica sonhando e não vai trabalhar não.

Sorvete sabor cerveja.


Depois do sucesso da versão ovo de Páscoa, no primeiro semestre, a Skol prepara mais uma novidade para os seus consumidores. A marca de cerveja da Ambev irá comercializar durante o Verão o sorvete Skol, versão em massa no pote de 150 ml com sabor de cerveja. O lançamento oficial do produto será em janeiro.

O sorvete de cerveja será vendido por tempo limitado em bares selecionados de São Paulo e Rio de Janeiro. Apenas maiores de 18 anos poderão adquirir o produto. A marca ainda estuda a possibilidade da comercialização do sorvete Skol pela fan page no Facebook, como ocorreu no caso do ovo de Páscoa.


Vai ser estranho ouvir "se for dirigir, não chupe sorvete". 

Tenha uma boa "crise"



Albert Einstein disse: “Não pretendemos que as coisas mudem se sempre fazemos o mesmo”. A ‘crise’ é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e países, porque traz progressos. A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar superado.

Há algum tempo a palavra “crise”, que ganhou curso na economia a partir do século XIX, povoa com bastante intensidade os noticiários e, consequentemente, o pensamento de todos nós. Tal situação é reflexo das dificuldades econômicas enfrentadas por diversos países, que têm modificado e afetado, de forma drástica, a vida de milhares de pessoas em todo o mundo.
Para os chineses, crise é definida como “oportunidade ou fim”.
Por mais que existam tantas formas de interpretá-la, concordo com a afirmação de Einstein: crise” é a melhor benção que pode ocorrer em nossas vidas, pois obriga-nos a encontrar a criatividade para superar, vencer e crescer. As próprias etimologias da palavra nos chamam atenção para a tomada de decisão diante de mudanças inesperadas, uma prova que nenhuma crise é necessariamente ruim, pois, superando-as, sairemos mais fortes.
Mesmo quando, em tempos nebulosos, perdemos algo, podemos nos fortalecer. Nenhuma perda é para sempre; o fim de algumas coisas faz parte da vida e muitas vezes algo precisa acabar para dar espaço a uma nova mudança. Quando entendemos o fim como um novo caminho, a vida toma um sentido promissor.
Podemos, então, efetivamente viver; não somente sobreviver. Geralmente o fim daquilo a que nos apegamos ou acomodamos nos tira da famosa “zona de conforto” e provoca, em cada um, questionamentos sobre a vida, sobre aquelas questões que adiamos a resolução. Lembra-nos que nada é para sempre e dá uma noção real de que o tempo anda, não pára e não espera. Ensina que tudo vale a pena e que nenhum sacrifício é em vão.
E por falar em sacrifício… esta é outra palavra injustiçada. Geralmente as pessoas a associam a algo “ruim”, pelo fato de vivermos numa sociedade que valoriza o fácil, estimula o comportamento hostil e preguiçoso. Todavia, esta palavra nasce da união dos termos sacro e ofício”, ou seja, trabalho sagrado”.

Pelo simples fato de sermos humanos, existem circunstâncias em que nada ou quase nada podemos fazer. Porém, independente da escolha que fazemos, a vida segue e certamente tempos melhores “se abrirão” no futuro, sentindo que nossos planos fluíram a contento.
Pense de forma sincera: na atual conjuntura social e econômica em que vivemos, quantas pessoas você conhece são capazes de realizar o sacrifício de modificar a si mesmas e transformar fracasso em sucesso, angústia em criatividade? Quem, desse vasto grupo, poderia conjugar os verbos que derivam da crise, ou seja, “superar” a si mesmo sem ser “superado” por ela?
Devemos meditar a respeito das coisas que interiormente nos bloqueiam e reagir, tendo em nós que, apesar de todas as dificuldades oferecidas durante nossa trajetória, nada poderá impedir nossa vitória: a não ser nós mesmos. Descobrir a importância dos sacrifícios é vencer. O ideal é passarmos a respeitar o “tempo certo do nosso interior” e perceber que é preciso bater mais do que uma vez na mesma porta (aquela que obstrui seus sonhos) até que ela se abra. Quando ela se abrir, permita-se também descobrir algo maior. Entenda que aquele sonho pode não ser só seu. Todo sacrifício e superação empenhados hão de inspirar outras pessoas e muitas outras portas podem ser abertas e, de maneira consequente, perdas serão superadas e vidas, transformadas.
Falar sem parar nas crises, dedicando grande parte do nosso precioso tempo a esse assunto, é promover o conformismo. Em vez de ajudar a propagar tantas desgraças, podemos agir diferente. Nós temos a capacidade de fazer valer a pena o sacrifício e insistir na força do nosso trabalho. Lembre-se de que a única crise verdadeiramente ameaçadora é a tragédia do homem que cruza os braços conformado e desiste de si mesmo. Todo resto pode ser superado; basta confiar, pois aquele que acredita em si mesmo é o único capaz de vencer.

Rodrigo Rocha é diretor de marketing da Amil.

Palavras chave: crise, criatividade, inovação, estratégias.