Google+ Seguidores

quinta-feira, dezembro 10

Ética em primeiro lugar

O Jornalista Renato Menezes escreveu:"

"A ética é um quesito fundamental em todas as áreas de atuação. Quando se trata da educação, essa questão torna-se ainda mais séria e cautelosa, uma vez que as instituições idôneas têm como primordial em suas missões formar profissionais competentes e dignos das funções que exercem.

A preocupação não é utópica, mas urgente, pois o cenário educacional de Lins e região, já há algum tempo, sofre com práticas inescrupulosas e ações mentirosas de pseudos-profissionais com relação à difusão de informações e divulgação de cursos. Livre de qualquer senso de responsabilidade, há quem opte pela concorrência desleal, fornecendo, conscientemente, informações falsas sobre cursos e carreiras para alunos do Ensino Médio.

Muito pior do que prejudicar a imagem de outras instituições de ensino, esse procedimento pode acarretar conseqüências muito mais graves, já que os jovens que estão em uma fase decisiva da vida acabam sendo influenciados por afirmações levianas não acidentais. A deslealdade não é com a Unilins, nem ao menos com as demais escolas, mas com os alunos enganados por profissionais de caráter duvidoso.Para tentar remediar essa situação, a Unilins vem a público tranqüilizar os alunos pré-vestibulandos. Longe de ter os dias contados, o curso de Marketing tem apresentado um grande crescimento tanto no âmbito acadêmico quanto no mercado de trabalho. Visivelmente, esse crescimento tem incomodado aqueles profissionais, que, em indiscutível desespero, afirmam que essa é uma carreira que irá acabar. O Marketing, ao contrário, é uma carreira promissora, que oferece amplas oportunidades e tem um campo de atuação distinto da Administração, de maneira que não há nenhuma hipótese de um curso ser "absorvido" pelo outro.

Da mesma forma, é importante ressaltar que os cursos da Unilins são todos reconhecidos pelo MEC e aprovados em todos os quesitos aos quais foram submetidos à avaliação. Além disso, no que refere aos cursos subordinados às diretrizes de órgãos regulamentares, como é o caso das engenharias que obedecem às normas do CREA e CONFEA; da Enfermagem, ligada ao COREM; e de Processos Químicos, ao CRQ, a Unilins cumpre todas as exigências desses órgãos e não existe qualquer irregularidade em suas grades curriculares, certificações ou diplomas expedidos.
Portanto, embora a Unilins saiba da existência de profissionais concentrados em espalhar informações mentirosas sobre seus cursos, ao invés de combatê-los no mesmo estilo, a Unilins opta por vir a público tranqüilizar seus alunos e aqueles que pretendem ingressar nesses cursos, pois a preocupação principal é com os jovens que irão, futuramente, construir o país por meio de suas atuações profissionais.

A Unilins convida a todos os que tiverem interesse para visitar seu campus e laboratórios, bem como verificar a documentação pública de regulamentação que legaliza seus cursos, pois essa imagem ética e transparente foi construída ao longo de mais de 40 anos de atuação responsável da Fundação Paulista de Tecnologia e Educação, mantenedora da Unilins, ETL, CETEC e Faculdade Paulo Setubal.

A Unilins pode até mesmo perder alunos, em razão da concorrência desleal, mas jamais perderá a dignidade.

A Unilins está de portas abertas para toda a comunidade.

quarta-feira, dezembro 9

Você acredita no ENEM ?

Feliz comentário do Jornal Estadão, sobre o Exame Nacional do Ensino Médio. Ele comenta que a "abstenção de quase 40% dos participantes de 2009, é o desdobramento natural da sucessão de equívocos que as autoridades educacionais cometeram quando tentaram transformar a avaliação em bandeira política para as eleições de 2010. A proposta, até entao bem recebida bem pelas instituições de ensino superior, sofreu um tremento revés quando o MEC passou a usá-la como trunfo político. No início houve falhas na rede de informática do MEC, despreparada para o alto número de inscrições pela internet. Depois, os Correios atrasaram a entrega dos cartões de inscrição. A definição dos locais da prova também gerou problemas, pois muitos candidatos teriam de se deslocar até 330 quilômetros de suas residências. A falha maior, no entanto, foi o vazamento da prova, dois dias antes de sua realização. Quando se imaginava que todos os problemas haviam sido contornados, veio a anulação de questões com nítido viés político e ideológico. Para fechar com chave de ouro, divulgaram um gabarito oficial errado". Nunca, na história desse país, fizeram tanta bobagem com a educação.

quinta-feira, dezembro 3

Se prometer, cumpra !

A revista Veja publicou recentemente a notícia de que a Danone arcou com um custo de 35 milhões de dólares por uma promessa não cumprida. Durante um bom tempo, a propaganda do Yogurte Activia prometia regularizar, em duas semanas, todo e qualquer intestino, desde que fosse consumido diariamente. Ocorre que as pessoas têm organismos diferentes e, evidentemente, as reações não foram como o prometido. Consumidores dos Estados Unidos processaram a empresa, alegando que os benefícios prometidos eram exagerados.

quarta-feira, dezembro 2

UNE - PT - PC do B - V C FD

Demorou, mas caiu a máscara de mais uma dessas organizações fajutas que se dizem representantes de classe. Foi a vez da União Nacional dos Estudantes cair em tentação e entrar para o bloco dos fanfarrões que se divertem com o dinheiro público. E o vício para explicar suas falcatruas é o mesmo do nosso malfadado presidente Lula, que não vê nada de tão errado. Quem, no passado, representou nossos estudantes em defesa de um ensino sério e um mundo justo, agora se vê na mesma lama que tanto combatia. É por essas e outras que estudantes se distanciam da UNE. Para se ter idéia da corrupção dessa entidade, dos últimos cinco ex-presidentes da UNE, quatro estão em postos de confiança no governo Lula. O ministro do Esporte, Orlando Silva, que a presidiu entre 1995 e 1997, Ricardo Capelli (1997-1999), Wadson Ribeiro (1999-2001) e Felipe Maia (2001-2003). Que saudade dos caras-pintadas.

EAD - distante da realidade

O que já se sabia está agora sendo comprovado por especialistas na educação. O ensino a distância brasileiro está, de fato, muito distante daquilo que se possa considerar propício aos alunos que optam por essa modalidade de ensino. Ainda que a Internet nos permita vislumbrar o mundo, a pouca interação e a própria tecnologia têm se constituído em grandes problemas para o sucesso dessa empreitada. Além disso, programas de educação a distância sofrem, em muitos casos, de credibilidade e reconhecimento. E isso se dá em razão do baixo nível do ensino presencial no país, resultado dos baixos salários dos professores, falta de estrutura adequada e um planejamento pedagógico longe do ideal. Se essa modalidade secular está repleta de erros, como acreditar no EAD ?