Google+ Seguidores

quinta-feira, julho 23

Desre de tosmennaciolare




Larfa de stra rapa tefren rae mau mafor que gunsal vensjo da capoé de 80 ramtraconne rapa se carnimuco mês que trosou ssemdenteen a gemsamen. Rae ssima que lees se amniure em posgru, mês bersa que já vamtaes doancri desre aisciso.
Calma, prezado leitor. Não é uma nova linguagem e nem erro de digitação. A tradução acima é a seguinte:
Falar de trás para a frente era uma forma que alguns jovens da época de 80 encontraram para se comunicar sem que outros entendessem a mensagem. Era assim que eles se reuniam em grupo, sem saber que já estavam criando redes sociais.”
Além de estranho pode parecer idiotice o fato de que jovens daquela época usavam desse formato de comunicação. Na realidade, além de haver outra interpretação, o mais importante é que trouxe uma espetacular colaboração para profissionais que analisam as chamadas redes de relacionamento ou, se preferir um termo atual, as famosas redes sociais.
O uso de codificação e gíria é mais velho ainda que o exemplo acima. Mas, a discussão é outra. É óbvio que esses jovens não criaram um vocabulário oficial com tantas regras gramaticais como a nossa língua portuguesa. O exemplo é para enfatizar um fenômeno que cresce rapidamente, reunindo não só crianças e adolescentes, mas, libertando da solidão pessoas bem mais velhas que, pela insegurança das ruas que assola até as pequenas cidades, encontra, nesse meio, uma maneira de formar a sua própria turma, com seus próprios assuntos. Aliás, das 6 horas que o brasileiro passa na internet, 4 delas são nas redes sociais.

Até que ponto a padronização da forma de expressão influencia para que esses jovens se "conectem" procurando assuntos de interesse comum?
Resumidamente, expliquemos de maneira tecnica o significado de rede de relacionamento ou social.
Segundo diversos autores, "redes sociais são
redes de comunicação que envolvem a linguagem simbólica, os limites culturais e as relações de poder entre grupos. A rede é responsável pelo compartilhamento de idéias entre pessoas com interesses e objetivo em comum e também valores a serem compartilhados. Assim, um grupo de discussão é composto por pessoas com identidades semelhantes. Hoje, essas redes sociais estão instaladas principalmente na Internet devido ao fato desta possibilitar o contato rápido e fácil, promovendo a divulgação de idéias e a absorção de novos elementos em busca de algo em comum”.
Você, prezado leitor, ao acompanhar seus filhos e filhas adolescentes na internet, vai se deparar com termos do tipo neh, vc, blz, intaum, dentre centenas de outros que, para os desacostumados – para não dizer mais velhos -, necessitam da devida tradução. Comunicar-se de forma diferente com eles é pedir para ser excluído do grupo. E o por que eles se comunicam dessa forma é uma pergunta com dezenas de respostas.
Mas, o que interessa aos profissionais de mercado é identificar esses grupos, seus desejos, hábitos, costumes, necessidades etc. E você perceberá o porquê nas próximas linhas.
Pensemos nos dias de hoje, em que as empresas querem investir cada vez menos em comunicação e alcançar cada vez mais resultados. É possível?
Sim, é amplamente possível.
Um dos maiores desafios das empresas, além da busca por maiores índices de lucratividade, é o de melhorar a comunicação com o mercado envolvido direta ou indiretamente com o negócio, seja na relação patrão e empregado, colaboradores e clientes, compradores e fornecedores.
É por isso que muitas delas estudam o comportamento humano, buscando incansavelmente segmentar o mercado e entender cada grupo, para personalizar produtos e a comunicação. É esse o objetivo de empresas dinâmicas e antenadas com o mercado e suas tendências. Querem o relacionamento individualizado, o tal marketing one-to-one, referir-se à pessoa pelo nome e não por cliente.
São duas coisas distintas: uma é a linguagem, a outra é o meio. Falar de trás pra frente ou usar termos do tipo neh, intaum, é uma linguagem própria, pode ser escrita em um papel, por exemplo. A característica da rede social da Internet é o meio, mais especificamente o canal. Uma forma de agrupar e ordenar a dispersão da Internet. Twitter, Fóruns de discussão ou Orkut são redes sociais no meio (ou veículo) Internet.
Esse tipo de segmentação é por afinidade. Por exemplo, dentro das próprias redes sociais existem subgrupos (ou nichos) de interesses em comum. Por exemplo, comunidades dentro do Orkut. Já o Twitter é mais público, mais exposto. O próprio Twitter inventou linguagem e regras com um conjunto de símbolos que só quem está dentro compreende. Veja: “RT” para parafrasear alguém; // para comentários sobre frases, # para definir o assunto ou colocá-lo em uma “sala” específica; e @ para os destinatários.
Você já tem Twitter?

Vorlei@vorlei





Nenhum comentário:

Postar um comentário